site_mobile.jpg

POESIAS

capa_digaoMilitante_logo_edited.png

A Procura do Meu Ser 

 

Caminhando pelas ruas, procurando o meu eu o meu ser

O que me causa a dor, o que me faz viver

Sorrir, sentir, chorar, amar

Por que não sonhar ao menos se entregar

As crianças crescem o corpo envelhece

O que te enriquece não me enobrece

Sou a favor do simples minha a alma é eterna

Assim como as lembranças das coisas mais belas

O pôr do sol, o frescor do vento 

Pássaros cantando, crianças brincando 

A vida é realmente uma caixa de surpresa

Onde o que vale mesmo a pena não é a beleza

Cor, credo, sexo, religião.

E sim as passagens da vida, que se vem e se vão

Ainda falta muito...

Falta união entre povos e nações

Falta opção para quem não tem um lar o pão

Falta visão em quem comanda a nação

Falta humildade e muito amor no coração

Falta fé para caminharmos como irmãos

Falta eu, você, eles, nós. 

Nos encontrar - mos  dentro do nosso ser

E combatermos os dragões que nos afligem

Para sermos melhores e mais dignos de respeito

A revolução só é completa quando existem revolucionários

E não mentes maquiavélicas que pretendem expandir o mal.

O bem sempre vai prosperar

E banir esse elo que nos separa

O dinheiro

RODRIGO MESSIAS - DIGÃO O MILITANTE

Em busca da Felicidade 

 

 

Estou procurando algo dentro de mim 

Que não consigo encontrar

A paz, a guerra, a solução de uma nova era

O antídoto que amenize toda essa a dor

O remédio de tarja preta, que o doutor não receitou

A criança que mora e se esconde dentro de mim

Os cabelos brancos da minha cabeça que insistem em reluzir

A esperança que me aguça, me atiça a persistir

As portas que se abrem e se fecham

Os projetos futuros que me deixam inquieto

O amor paterno que me bate a porta

A lembrança de um momento glorioso que vivi na escola

O coração que pulsa, as pernas que se tremem

Os lábios secam, a fala se desprende

A revolta do meu interior que planeja fugir

A fé em Deus que não me deixa desistir

O sangue que circula o vermelho da revolução

É o mesmo que chora quando os entes queridos se vão

É a pergunta sem resposta que só o eu pode responder

É a sede por melhorias, é a vontade de aprender

É a pergunta globalizada, informação para o desinformado

É a realidade nua e crua que calou o bacharelado

É o enigma da vida, evolução a criação

É a mão cheia de calo de um mero cidadão

É a mãe que deu a luz, o pai que se emocionou

É a resposta dos anticorpos, é a doença que se curou

É o meu sonho rabiscado, escrito do lápis para o papel

É a ingenuidade de criança que conta estrelas lá do céu

Talvez o fim da minha vida, o início de uma outra

Talvez simples pensamentos de uma mente meio tosca

Talvez um leigo iniciante que carece de amizade 

Talvez um mero sonhador em busca de felicidade

RODRIGO MESSIAS - DIGÃO O MILITANTE

A Chuva

 

 

A Chuva…

Que molha, que cai,

De frente, de lado.

Às vezes corre, às vezes para.

Será que são as lágrimas de Deus? Ou capricho da natureza?

Diversão da molecada, um sonho, onde a seca castiga.

Pavor nas áreas de risco, eu nem me arrisco!

Promessas, conflitos, onde quem manda são os políticos.

Sem saneamento, moradia, fica meio esquisito!

A chuva cai e os jardins das mansões ficam lindos!

Também não hesito, móvel e eletrodoméstico caindo.

Sonhos que não dão mais pé, alicerces ruindo.

Paredes desmoronando, vidas perdidas, crianças sumindo.

Mas eu ainda acredito...

Que um dia tudo vai mudar!

A natureza, Deus e o Homem vão se encontrar!

Eu queria falar de amor, natureza, vitória.

Infelizmente, o que me inspirou é a revolta do povo lá de fora.

Que não tem internet, televisão, celular, rádio.

Comida no prato, trabalho, um digno salário.

Sem teto, sem lar, sem perspectiva para o seu filho.

Onde o verdadeiro herói fica a mercê de polícia, bandido.

Levanta cedo, volta tarde à espera de um milagre.

Que seu filho se forme e seja bem sucedido mais tarde.

Me salve, me salve! A humanidade pede socorro...

RODRIGO MESSIAS - DIGÃO O MILITANTE